Ser ou não ser

Eduardo Baqueiro

 
 
Sou um poeta, sou sim!
Escrevo algumas coisas que
atingem os corações...
Algumas pessoas não gostam de mim,
Acho isto natural.
Nem Jesus agradou a todos,
Quem sou eu para querer
ser melhor que Ele?
Tenho consciência de minhas imperfeições
E às vezes sou provocado e
atinjo meus limites...
Talvez seja a natureza me dizendo
que ainda estou longe de minhas metas
E que a perfeição não passa para nós
mais do que simples sonho.
Gostaria de que todos os meus dias
fossem dias de conquistas...
Que eu fizesse pelo menos mais um amigo;
Que eu não prejudicasse meu semelhante;
Enfim, que eu não fosse um ponto negativo
na vida de ninguém.
Gostaria que meu amor sempre pensasse
em mim e só tivesse alegrias e
boas lembranças,
Mas não é assim não!
Tem dias que o nosso amor não se faz
dono de nós...
Não ficamos calados como há de convir,
Achamos que dizer a verdade será melhor,
Que chutar o balde não fará mal nenhum,
Como nos enganamos!
Nestes dias jogamos tudo que há de ruim
para fora
E tudo isto retorna e fica agarrado na
nossa latinha de lixo...
Mais um peso para se carregar;
Mais uma magoa para se remoer;
Mais uma lição por terminar...
Como é difícil a arte de viver!
Estar de bem com a vida
é uma ciência que ainda desconhecemos...
Quanto tempo seria necessário
pra compreendermos bem
a ciência do bem viver?
Seria tão bom amar somente quem nos ama;
Ignorar aqueles que sentem antipatia por nós...
Temos consciência do caminho que
devemos percorrer,
Mas sempre escolhemos os caminhos mais fáceis.
Seria isto de nossa natureza?
Damos atenção aos sentimentos ruins,
Aos nosso medos, à nossa raiva,
Gostamos de alimentar vingança
E não levamos desaforo para casa.
Como é difícil viver em harmonia!
Nosso aprendizado é tão lento,
tão doído!
Porque somos tão mesquinhos?
Porque não assimilamos as lições
que teimam em nos ajudar
a encontrar nossa harmonia.
nossa felicidade?
Acho que não sou um poeta não!
Devo ser uma criança carente e revoltada
Que tem tudo que precisa para viver,
Mas que nunca se contenta.
Tenho saúde que me faz sentir bem,
Tenho meu trabalho que tanto amo,
Tenho um bem querer que também me quer...
Tenho tudo...
E, mesmo assim, às vezes me sinto pequeno.
Porque é assim?
Porque somos assim?
Ainda somos escravos de nossas imperfeições...
Às vezes parece que estamos caminhando para trás,
Estamos retrocedendo...
Mas de uma certeza eu tenho
Que tudo isto, as amarguras,
as tristezas e as mágoas
um dia passarão.
Então, olharemos para traz e veremos
Que, apesar de tudo, caminhamos
E, no caminho, encontramos tudo aquilo
que precisávamos para sermos felizes