Prazer

Eduardo Baqueiro

 

 

Te conheci no virtual

E por muito tempo namoramos

Mas havia mais alguma coisa no ar

Não dava mais pra segurar

Havia uma fome de contato físico

 Um tesão que não se satisfazia com

 trocas de palavras

Não havia mais tempo, 

estávamos em êxtase

   Marcamos um encontro naquele 

belo lugar

Teu vestido vermelho me embriagava

Tua voz sussurrando ao meu ouvido 

me enlouquecia

Mas não me lembro de mais nada 

a não ser tua boca pedindo minha boca

Nossas mãos procuravam em vão

 satisfazer nossos desejos

Eu era um lobo sedento de sua carne

Um animal dominado pelos desejos 

mais profundos

E numa loucura infinita rasguei teu vestido

E teu corpo que ainda não conhecia 

surgiu  provocante e atrevido

Um grito silencioso aproximou 

nossos corpos

O contato, a troca de suor, 

nossas bocas num vai e vem infinito

A loucura se instalara naquela noite

Naquele quarto escuro

Nossos corpos agora cansados pediam 

uma pausa

Mas o tesão ainda estava no ar

Por mais que amassemos 

aquele desejo de amor não terminaria

Apenas o cansaço fazia com que 

aquela loucura terminasse

Para que no próximo encontro 

tudo se repetisse