ONTEM À NOITE
Eduardo Baqueiro
 
 
Um frescor invadia nossos corpos
A lua iluminava tua face bronzeada
Minha boca procurava tua boca
As ondas do mar faziam barulho
Brigando para assistir nosso show
Te desejava mais do que nunca
Nossos corpos se encontravam famintos
Éramos só eu e você e nada mais
Deitamos na areia fina
Você agarrada a mim
Rolamos até que as águas salgadas
molhassem nossos corpos...
A água gelada aumentou nosso tesão
Tiramos nossa roupa
Meu corpo, sedento do teu, colou em você
Senti teu gemido,
conssentindo que eu a invadisse
Minha boca e minha língua experimentavam
tua pele salgada,
Buscando teu sabor e teu cheiro
Cheiro de fêmea no cio
pronta para ser minha mulher...
Mordia teu corpo procurando matar
a fome que sinto por você
Insaciável...
Te desejava mais do que tudo...
Invadi teu sexo, ouvi teu gemido
Pedia para que não parasse
Desejava mais ainda
Desejava entrar todo em você
Ser teu tesão e dominar teu corpo,
teu pensamento, você...
Gozei dentro de você,
Senti o mundo desabar ao nosso redor
Mas queria mais de você
Desejava explorar teu corpo inteiro
Apertei teu corpo junto ao meu
Senti teus peitos em minhas mãos
Te senti frágil, dominada e possuída
Ah, minha querida, que tesão eu sentia
explorando teu corpo
Este corpo safado e gostoso
Meu sexo vibrava dentro deste
mundo gostoso
Gozamos a noite toda,
até que nossa sede fosse saciada...
O sol apontou no horizonte
Anunciando um novo dia
E depois uma outra noite....
De amores...