Mães

Eduardo Baqueiro

 
 
Hoje eu vou falar de minha mãe
Mas quero falar também de todas mães que se foram,
Das mães que fazem falta na vida da gente,
Das mães que deixaram saudades...

Saudades de doer no fundo da alma,
Saudades que ninguém poderá curar.
Relembro as minhas brigas  com Deus!
Briguei e ainda me sinto magoado.

Mãe, minha querida, não sei onde te encontras
Mas eu me encontro perdido...
Quantas vezes perdi minha fé por teres partido,
Tornei-me uma criança e me revoltei

Por não ter mais teu regaço,
Por me sentir só neste mundo!
As pessoas que ficaram jamais
irão preencher o vazio que tu deixaste.

Mãe, teu dia está chegando, mais uma vez e
Meu peito continua doído como naquele
dia em que partiste...
Nada neste mundo fará com  que esta dor, que sinto,
se apague.

Ela é como uma chama alimentada de saudades,
A cada dia ela aumenta e queima mais e mais meu coração.

Tantas vezes eu chorei calado e desesperado,
E as mágoas e a dor no peito apenas aumentaram...
Mãe querida! Feliz dias das mães!
Onde estiveres consola- me e ameniza minhas dores