Didi

Eduardo Baqueiro

 

Era uma vez um menininho que se chamava Dexter.

Ele tinha uma irmãzinha  que era muito chata

e um pouco burrinha que se chamava Didi. 

Didi vivia perturbando Dexter

e não o deixava em paz nem um minuto sequer.

 

Dexter tinha um laboratório secreto

que a Didi gostava para fazer suas bagunças,

 pois alem de fazer bagunça,

ela também gostava de apertar botões

e botões era o que não faltava no laboratório.

Um dia Dexter estava tão chateado

com sua irmãzinha que exclamou:

eu não agüento mais as traquinagens de minha irmã,

tomara que ela fique doente,

pois só assim eu poderei ter um pouco de sossego.

Mas o que Dexter não sabia era que a Didi ouviu

o que ele disse e ficou muito triste

e foi para seu quarto e

não saiu mais naquele dia

para atazanar seu irmãozinho.

No dia seguinte Dexter acordou cedo

e foi para o laboratório

e achou estranho não ver a sua irmã

esperando-o para começar um novo dia

divertindo com suas traquinagens.

Dexter trabalhou toda a manha

e não ouviu sua irmã entrar no laboratório.

Na hora do almoço,

Dexter correu para tomar seu lugar na mesa

e novamente não viu a Didi

e perguntou a sua mãe

o que tinha acontecido com a Didi.

Sua mãe respondeu que ela estava doente

e que o medico mandou-a ficar de cama ate se curar.

Dexter ficou feliz com a noticia,

pois agora teria a paz que tanto desejara. 

Mas em seu laboratório

Dexter começou a se sentir triste

e sentir falta da sua irmãzinha chateando-o,

e lembrou-se que desejara que aquilo acontecesse.

Ao anoitecer Dexter foi ate o quarto da Didi

e a viu dormindo com um jeitinho triste

e parecia que não ia acordar mais.

Lembrou-se que desejou que Didi ficasse doente

e uma dor doeu em seu coração.

Afinal, Didi podia ser chata,

um pouco burrinha também,

mas era sua única irmã e ele gostava muito dela,

ele a amava e sabia naquela hora a falta

que ela fazia.

Dexter aproximou-se da Didi

e falou ao seu ouvido:

Didi eu gostaria que você ficasse boa logo

e gostaria que me perdoasse por desejar

que você ficasse doente,

quero que saiba que eu te amo

e que não saberia viver sem você

e prometo que nunca mais vou achar ruim com você

por mexer em meu laboratório

e não mais zangar pelos botões que você apertar.

Dexter deu um beijo na Didi

e saiu de mansinho para o seu quarto.

De manha Dexter acordou

e foi direto para seu laboratório

e teve uma surpresa,

era a Didi que corria de um lado para o outro

derrubando tudo que encontrava pelo caminho

e apertava todos os botões que encontrava,

mas Dexter não brigou com Didi,

sentiu-se feliz pela Didi estar de novo

quebrando suas coisas.

Didi:

Apesar de ser chata e um pouco burrinha,

quero que saiba que este Dexter não precisa

esperar você ficar doente para dizer que te amo.

(Para uma adorável menina de 12 anos)