Desencontros

Eduardo Baqueiro

 

A vida é um enigma,

Tem suas próprias regras

Somos apenas protagonistas...

Não temos liberdade,

as escolhas já foram feitas...

Não gosto de viver assim!

Sou ovelha negra,

Nado contra a correnteza

Luto, mas não encontro respostas...

Por mais que procure,

continuo perdido dentro de mim...

Desejo ser o que não posso

Não aceito o que sou

Me faço de menino dengoso

Sou surdo aos apelos da consciência...

Sei que estou perdendo meu tempo

Mas preciso esperar

minhas mudanças.

Se posso dizer não,

porque não fazê-lo?

Não quero ser anjo, nem demônio

Quero ser apenas eu

Saber o que sou, de onde venho

e para onde vou...

Não aceito afirmações sem base!

Quero o lógico, o concreto

Cansei deste caminho para a morte...

Buscamos desesperadamente

nossos sonhos

e quando encontramos questionamos:

e agora, o que vai ser?

Estamos sempre insatisfeitos

Precisamos mudar

mas temos medo de mudança,

Mudar significa dizer adeus

Adeus aos costumes e aos vícios...

Sentimos medo do desconhecido

Então retornamos à nossa caverna...

Quem sabe um dia, 

Com perseverança, paciência e amor,

Poderei compreender minhas dúvidas

Me encontrar e prosseguir?