Desejos
Eduardo Baqueiro

 
Bateu na porta...
Uma voz doce e sexy, que conheço muito bem...
Um convite para uma fuga, um encontro
Um olhar insinuante à meia luz
Um leve sorriso e a ponta da língua insinuante...
Meus instintos acenderam
Descompassado, me aproximei para sentir teu cheiro
Fechei meus olhos e senti o aroma de fêmea no ar...
Sedenta, carente e solitária!
Por um momento dou asas à minha imaginação
Solto o menino bandido que vive dentro de mim...
Menino bandido, meio lobo, meio safado.
Levo você comigo a um canto solitário
Onde posso deixá-la nua, de corpo e alma
Um lugar onde posso torná-la minha escrava
Para satisfazer meus desejos mais profundos,
que também são os teus desejos...
Perco a compostura
Deixo a vergonha em algum lugar
Somos apenas eu e você... sedentos!
A única coisa que importa é ceder ao desejo
Deixar a noite embalar dois amantes,
Sentir o calor e deixar-se levar...
Minhas mãos enroscadas em seus cabelos lisos
Minha boca perdida nas curvas de teu corpo
Meu corpo desejando o contato...
Somos amantes em busca do gozo perfeito!
Ao fundo, nossa música como a estimular
Carne e sexo, sussurros e intimidades...
Somente o tempo passa despercebido
Anunciando a manhã que nasce.
E a nossa aventura termina
Para recomeçar um outro dia,
talvez...