Cio

Eduardo Baqueiro

 

Sou calado, meio tímido...

Quase não saio de casa

Mas se me tocares no ponto certo

Transformo-me num lobo no cio

E não saio mais...

Não tenho pudor na fala, nem nos gestos

Minhas vontades,

anseio em teu corpo saciar...

Te tratarei como uma bandida ordinária

Te chamarei de todos os nomes

Te transformarei  em   meu objeto

Mas farei tuas vontades, todas,

até as mais secretas,

aquelas que a ninguém contas

Mas que eu sei que sentes e desejas...

Enquanto eu estiver no cio serei

tua coisa louca

Satisfarei teu corpo e tua alma

Matarei a sede que tens e não me falas

Vem cá, minha safada... ordinária...

Vem se deliciar do homem que desejas....

Vem chorar no meu colo

Como uma menina carente...

Olha nos meus olhos e confessa teu tesão!

Te entregue sem resistência

Te abra e deixa-te ser possuída por mim!

Sinta o tesão que tenho por ti!

Entregue-me este corpo vadio e gostoso!

Vem, menina, chorar no meu colo

Soltar esta energia presa dentro de ti!

Quero sentir teus desejos se desfazendo

uma a um em contato com meu corpo...

Vem gozar junto comigo

Vem me amar com jamais amou...