Anal
Eduardo Baqueiro
 
Sou uma mulher dengosa com muitos segredos guardados...
Alguns eu os conto, outros me envergonho
Mas se me trancares num quarto não se assuste
Transformo-me em uma mulher faminta
Na mulher de seus sonhos mais profundos...
Gosto de ouvir palavras indecentes,
ser chamada de ordinária
Gosto de brincar de bandida, de ser mordida,
lambida, arranhada  e mal tratada...
Neste momento quero tudo que possa
dar fim neste tesão
Quero ser possuída, guiada e amada
Mas quero ser possuída por trás
O tesão que sinto é maior que a dor...
Ao sentir meu homem dentro de mim, assim,
eu me realizo e sinto que vale à pena
Neste momento eu berro, eu uivo, eu gemo
Sou uma fera entregue ao puro prazer
Sou possuída e domada
Nada mais além do desejo de gozar,
me deliciar dos prazeres da carne
Sim, sou esta mulher que poucos conhecem
Safada do jeito que gostas
Do jeito que eu quero...