Afasta de mim este cálice

Eduardo Baqueiro
 
 
 
 
Senhor, tenho como companheiras,
mas não como amigas as tentações
que teimam em me desviar
do caminho...
Sei que muitas vezes me entrego,
sem resistência,
Alegando cansaço, desânimo
e falta de proteção...
Minhas fraquezas são indicações
do quanto necessito aprender
para caminhar!
Às vezes confundo lições com castigo
Me afasto de tua luz...
E, como menino revoltado,
me escondo de ti!
Senhor, não mereço vossa atenção!
Tenho sido um filho rebelde...
Ignoro as lições que me chegam,
abandonando o trabalho que cabe
a mim realizar...
Reclamo das pedras que
encontro no caminho
Sem, ao menos,
ter o trabalho de removê-las.
Me acho injustiçado
Mesmo compreendendo que 
nenhum caminho é isento
de perturbações...
Recebi nesta encarnação as
 ferramentas necessárias
para atravessar o mar
das minhas próprias dificuldades...
Tenho minha inteligência somada
à minha saúde,
Minha capacidade de discernimento
 que não raro chega a me
 surpreender...
Descobri alguns dons que nunca
imaginei possuir;
Recebi os amigos necessários para
os momentos difíceis
E ainda me pego reclamando,
sentindo pena de mim mesmo,
me achando injustiçado.
Eu deveria estar feliz,
pois já me encontro além
da metade do caminho
e nunca passei dificuldades.
Não sei o que é sentir fome,
nunca senti frio, jamais senti solidão.
Sou amado por pessoas muito
 especiais, consegui realizar
a maioria de meus sonhos.
Não todos, mas os que mais ansiava...
Tive um filho, plantei muitas árvores
e ainda escrevo versos...
Sou feliz, e como sou feliz.!
Não sei porque reclamo!
Perdoe-me, Senhor,
pelas minhas falhas.
Obrigado, Senhor,
pelas dádivas recebidas...